Sempre achei uma missão cortar a unha do meu filho. Desde bebê, que fiquei com esta função, no início ficava insegura, já cortei muito profundo, já cortei torto e já deixei dias sem cortar. Ele resiste, reclama, chora, grita, diz que dói e até foge neste momento. Dentre meu olhar clínico, observei que ele tinha hipersensibilidade ao toque e na audição.
Estas diferenças sensoriais que ele apresenta, torna este momento muito uma situação estressante para nós dois. Um problema que notei neste momento de cortar as unhas dele, também estava relacionado à sensação dos dedos após o corte das unhas. Quando a mudança no comprimento da unha trazia uma sensação incômoda, irritante ou mesmo dolorida. Sei que, às vezes, cortava rente a pele, dai preciso cuidar nesta hora.
Quero deixar aqui as minhas dicas para o cortar as unhas como uma terapeuta ocupacional que trabalhou com crianças especiais. Há algumas dicas que podem ajudar a diminuir o estresse. 

Sensibilidade ao toque Cortar a unha.


Se o teu filho se recusa a usar roupas com determinados tecidos, toque na pele, pegar em texturas melequentas, pode ser que tenha diferenças na integração sensorial conhecido como atitudes defensivas táteis ou sensibilidade ao toque.

A sensação do toque normal é essencial para o desenvolvimento social e emocional. É esse sistema que nos permite fazer muitas ações do dia a dia além de fazer ligações com os outros. Em algumas pessoas este sistema sensorial tátil não está funcionando corretamente.

Em crianças com necessidades sensoriais elas se tornam confusas. Para realmente conhecer as suas necessidades, você tem que entender os sentidos e como eles se relacionam uns com os outros. Porque as crianças vão precisar da tua ajuda e você não pode simplesmente fazer mágica.  Leia aqui meu post, anterior, falando sobre cada sistema sensorial.


Como corto a unha do Enzo.

Costumo usar o mesmo tipo de tesoura para bebê no Enzo, mesmo aos 4 anos de idade, pois me sinto  mais segura pelo tamanho, pela ponta arredondada. E corto, na maioria das vezes, após o banho. Algumas amigas, preferem cortar com filho dormindo. Mas aqui o sono é leve, e nunca funcionou comigo.

Faça algumas massagens que oferece uma pressão profunda ou proprioceptiva, antes de cortar as unhas, para ajudar a diminuir as sensibilidade. Uma boa dica é usar um massageador elétrico se você tiver em casa.
Lembre-se que cada criança é única e o que pode funcionar para meu filho, pode não funcionar para sua. Além disso, um certo método que funciona para uma criança um dia pode não funcionar para a mesma criança no dia seguinte.

Dicas de Brincadeira antes de cortar a unha da criança.

Muitas crianças podem ver os cortadores de unhas esquisitos, então eu prefiro usar tesourinha colorida. Que tal você colar um pompom ou um bichinho de plástico? Antes de cortar as unhas, brinque com massinha de modelar para apertar, puxar, ou mesmo uma bolinha de ginástica, faz a mesma função. Este tipo de brincadeira, fornece uma pressão profunda nos receptores da pele, que pode ajudar a reduzir a sensibilidade tátil do seu filho.
Uma boa tática que uso é fazer meu filho segurar um brinquedo nas mãos durante ação de cortar as unhas.
Que também ajudar a “desensibilizar” a área antes do corte, na esperança de que não seja tão incômodo. Outra opção é “escovar” cada unha com uma escova de dentes antes de cortar cada unha. 
Vejam nosso momento de euforia a diversão para cortar a unha do Enzo, clica no vídeo abaixo:

 

Outra opção é pressionar suavemente no centro de cada unha antes do corte. Isso pode ajudar a reduzir temporariamente a sensibilidade local. Ou algo comum que costumo também fazer  é aproveitar o momento que ele assiste algum desenho favorito, para desviar um pouco a atenção.
 
Se você tiver alguma sugestão que para seu filho que funcione para seu filho, eu quero saber. Deixe nos comentários pois também pode ajudar outros pais neste momento.

Crie e brinque,

Raquel Jaskulski.

Dedique também este post a um amigo ou amiga que precisam desta informação, deixe nos comentários, compartilhe!

Instagram @mamaecriaebrinca

Facebook | mamãe cria e brinca

Fotos: Arquivo pessoal, por favor respeite as imagens descritas do meu filho.
Referências Bibliográficas: MAGALHAES, L. Terapia de Integração Sensorial uma abordagem específica da terapia ocupacional. In: Drummond, AF, Rezende, MB. Intervenções da terapia ocupacional. Editora UFMG: Belo Horizonte. 2008.